Espaço Terapêutico Movimentos Mudar Requer Coragem
Espaço Terapêutico Movimentos Mudar Requer Coragem

Mudar requer coragem. E o medo pode ser um grande incentivador.

Para algumas pessoas, mudar é algo bastante simples. Para outras, extremamente difícil. Pense em um tipo qualquer de mudança e sinta como é isso para você: mudar de casa, de emprego, de parceiro, de cidade, de profissão, de país.

Para realizar a maioria dessas mudanças precisamos refletir e pesar todas as implicações, as possíveis perdas e os prováveis ganhos – perdas pouco significativas e benefícios substanciais são esperados como resultados de uma mudança. Afinal, ninguém escolhe, conscientemente, mudar para perder ou ficar pior do que estava. Mas além de refletir, para concretizar muitas dessas mudanças precisamos buscar suporte – um advogado, uma imobiliária, um novo curso, ou mesmo uma transportadora para nos apoiar. Isso demanda gastos e trabalho, mas tudo é muito compensador quando se vê o resultado final – a casa nova montada, a questão jurídica solucionada, um relacionamento feliz e saudável, uma nova certificação em mãos.

Agora pense num outro tipo de mudança – de atitude, de hábito, de padrão de pensamento, de estilo de vida. Talvez você perceba que há pontos semelhantes entre mudanças comportamentais e as mudanças materiais que citei acima.

Chega um determinado momento em que – tenham outras pessoas lhe apontado ou não – você começa a se sentir incomodado com algumas reações que vem tendo ou talvez com algumas posturas que tem adotado repetidamente e se arrependido.

Quando um comportamento seu começa a lhe incomodar ou de alguma forma está te prejudicando em algum nível e parece, portanto, insatisfatório para você mesmo, eu te pergunto: não é esse o momento exato e perfeito para buscar suporte para mudar?

A tendência é que a resposta imediata seja “Sim, quero mudar para não me prejudicar!” E te digo que apesar dessa resposta parecer óbvia, ela coloca em ação movimentos de autodefesa inacreditáveis e muito inteligentes, cujo start independe de sua autorização. Um comportamento alimentado ao longo de toda a vida, transformado em hábito, vai te abandonar assim, facinho, só porque você decidiu que não o quer mais?

Bem, teoricamente deveria ser assim, fácil. Decido que não quero mais agir de tal forma, então mudo. Mas como lidar com a oxidação das teclas mentais e emocionais que induzem a esse comportamento? Afinal, anos a fio reagindo daquela maneira já marcaram em você um caminho, abriram uma trilha no seu cérebro – “sou assim e pronto”. E ao afirmar isso, você nem imagina o peso das crenças e valores envolvidos na elaboração dessa frase.

Eu quero, eu mereço e eu posso mudar

Conhecer-se um pouco mais pode fazer toda a diferença no ancoramento e durabilidade da mudança desejada: identificar o que te motiva a agir dessa ou daquela maneira, identificar crenças incorporadas ao longo da educação recebida e das experiências vividas, identificar paradigmas. E depois de detectar tudo isso, poder compreender com um novo olhar e se transformar na pessoa que você sempre desejou ser (porque interiormente sempre foi!)… isso não tem preço!

Acredito que todos nós desejamos ser pessoas melhores. Talvez melhores profissionais. Melhores pais e mães. Amigos melhores. Melhores líderes. Talvez melhores parceiros amorosos. Melhores cidadãos. Seres humanos melhores no universo.

Chegamos a este mundo com uma imensa bagagem de possibilidades e incontáveis dons para serem aprimorados e usados em prol de nossa realização pessoal. Experiências vividas em diferentes períodos da existência, criação, meio social e outros aspectos podem eventualmente dificultar o acesso a esses recursos que trazemos.

A boa notícia é que existem ferramentas para abrir caminhos que nos levarão ao encontro de nosso eu verdadeiro, rico em possibilidades, aquele que sabe e pode!

Então, desbravar e trazer à tona seu eu interior e lapidar sua personalidade a fim de minimizar o risco de auto-sabotagem permitem superar desafios cada vez maiores com ainda mais confiança e ir muito além das mais incríveis expectativas.

Agora, te convido a refletir comigo… se as perspectivas de mudança se mostram tão positivas, faz sentido as pessoas relutarem e se recusarem a buscar apoio para aprofundar o autoconhecimento e concretizar as mudanças que trarão realização e felicidade?

Eu entendo que sim, que faz todo o sentido essa resistência. Enquanto crenças muito poderosas nos mantêm amarrados, limitando nossos movimentos, paradigmas ancestrais servindo de régua para nossas decisões, o medo de questionar o status quo, o estabelecido, o conforto do conhecido tende a nos dominar. E assim, anestesiados, podemos passar a vida sem conhecer a realização e a felicidade.

Essa inércia pode ser rompida por alguma situação muito dolorosa ou quando o impulso interno se torna tão forte que nos leva à ação de buscar o que desejamos com todo o coração, a partir de um grito da alma que quer se curar da cegueira, quer se libertar do domínio do ego para entregar-se à essência. E a partir desse momento, ocorre um renascimento, um recomeço em muitos níveis, num patamar superior, completando mais uma volta na espiral da evolução.

Sair da zona de conforto do “sempre fui assim” não significa, infelizmente, que a mudança acontecerá num passe de mágica. Lembre-se: teclas oxidadas estão fazendo seu cérebro funcionar numa espécie de piloto-automático.

Para mudar isso com mais facilidade é preciso ensinar novos caminhos para o seu cérebro e criar novos hábitos de comportamento. E é justamente aí que se percebe o imenso valor da terapia floral, da meditação, do reiki, dos processos de coaching e outras ferramentas perfeitas para dar suporte a essas mudanças internas e contribuir para que elas sejam profundas, verdadeiras, duradouras.

Melhor do que ser movido pela dor é ser motivado pelo desejo consciente de ser uma pessoa mais realizada e ainda mais feliz. E se mudar é um assunto que te dá medo, encare esse medo nos olhos, abrace-o e ofereça algumas gotinhas de floral para ajudá-lo a se transformar em amor-próprio e autorrespeito.

Elaine F. Martins

Terapeuta Integrativa, atuando desde 1988. O foco do meu trabalho é acolher e apoiar pessoas no resgate da harmonia e saúde integral através do alinhamento entre corpo, mente e emoções. Para dar suporte aos que buscam suas próprias verdades, bem-estar, realização, compreensão e gestão de suas emoções, potenciais e espiritualidade, direcionei minha formação para ferramentas terapêuticas de expansão e integração da consciência Construo os atendimentos sobre o tripé Coaching, Alquimia e Meditação, alternando o uso de diferentes ferramentas conforme as necessidades de cada pessoa, sempre incluindo Florais. Sou Terapeuta Floral (Bach, Joel Aleixo e Cristais de Oz), Fitoterapeuta, Reikiana nível III, Numeróloga, Cromoterapeuta. Formação em Meditação Integrativa e Terapia de Vidas Passadas, instrutora de Magnified Healing e Celebração, consultora de Feng Shui. Oraculista (Runas e Tarô Alquímico) e uso a Astrologia com leitura alquímica. Life & Spiritual Coach desde 2011 e Practitioner em PNL - Programação Neurolinguística desde 2004. Sou palestrante e escritora, autora do livro “Ser Feliz é uma Questão de Sintonia”. Tenho formação como jornalista, publicitária e relações públicas. Ministro palestras, vivências e cursos de algumas das técnicas que utilizo, tais como: . Runas – leitura e conexões espirituais; . Numerologia Pitagórica para autoconhecimento; . Ervas Urbanas - remédios para o corpo e para a alma; . Feng Shui da casa e da alma; . Espiritualidade em Módulos; . Workshop de Magnified Healing; . Vivências de Meditação Integrativa.

Deixe um comentário